CRF-PA | Citopatologia não é atividade privativa da Medicina
Acesse os serviços online em qulaquer lugar
Conselho regional de farmácia do Estado do Pará
7024
post-template-default,single,single-post,postid-7024,single-format-standard,qode-quick-links-1.0,ajax_fade,page_not_loaded,,qode_grid_1300,footer_responsive_adv,hide_top_bar_on_mobile_header,qode-child-theme-ver-1.0.0,qode-theme-ver-11.2,qode-theme-bridge,bridge-child,wpb-js-composer js-comp-ver-6.10.0,vc_responsive
 

Citopatologia não é atividade privativa da Medicina

Citopatologia não é atividade privativa da Medicina

A Comissão de Assuntos Sociais (CAS) aprovou, hoje (19.12), o substitutivo da Senadora Lúcia Vânia (PSDB/GO) ao Projeto que regulamenta o exercício da Medicina, conhecido como Projeto do Ato Médico (PLS 268/2002). De acordo com o texto aprovado, entre outros dispositivos, excetuam-se do rol de atividades privativas do médico, a realização dos exames citopatológicos e seus respectivos laudos e a coleta de material biológico para realização de análises clínico-laboratoriais.

 

Dez anos e seis meses depois da apresentação da primeira versão do PL do Ato Médico (em 2002), farmacêuticos e médicos chegaram a um consenso em relação à citopatologia. “Sempre fomos favoráveis à regulamentação da profissão médica. O que nunca admitimos é que, sob o pretexto de regulamentar a profissão médica, pretenda-se retirar das demais profissões direitos adquiridos ao longo de décadas. Mas, enfim, o texto que segue para o Plenário do Senado não é prejudicial ao farmacêutico e define as atividades privativas e não privativas da medicina”, disse Walter Jorge João, Presidente Conselho Federal de Farmácia (CFF).

O dirigente lembrou, ainda, que tal consenso entre farmacêuticos e médicos foi possível graças ao trabalho das Assessorias Parlamentar e Técnica do CFF, do empenho das Comissões Parlamentar e de Citologia (CFF) e, em especial, à imprescindível atuação da Senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB/BA) e à consideração da relatora do Projeto, Senadora Lúcia Vânia.

A proposição segue, em 2013, para o exame do Plenário do Senado, com o compromisso dos Senadores de não apresentar pedido de votação em regime de urgência para que os poucos pontos ainda polêmicos possam ser discutidos naquela instância de decisão.


Fonte: CFF com informações da Agência Senado 

Nenhum comentário

Deixe um comentário