Governo incentiva a produção e venda de orgânicos em Belém — CRF-PA
Acesse os serviços online em qulaquer lugar
Conselho regional de farmácia do Estado do Pará
3523
post-template-default,single,single-post,postid-3523,single-format-standard,qode-quick-links-1.0,ajax_fade,page_not_loaded,,qode_grid_1300,footer_responsive_adv,hide_top_bar_on_mobile_header,qode-theme-ver-11.2,qode-theme-bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-5.2.1,vc_responsive
 

Governo incentiva a produção e venda de orgânicos em Belém

Governo incentiva a produção e venda de orgânicos em Belém

Os produtos orgânicos são aliados de quem quer melhorar a qualidade da alimentação. Não basta seguir a receita de comer frutas, legumes e verduras se estes alimentos, apesar de aparentemente frescos, foram cultivados com adubos químicos e expostos a agrotóxicos durante todo o ciclo de crescimento. Os produtos agroecologicos ou orgânicos têm se apresentando como uma alternativa saudável ao consumidor, e o governo do Estado incentiva tanto a produção quanto a comercialização direta desses produtos ao consumidor.

Desde julho deste ano, as Centrais de Abastecimento do Pará (Ceasa) têm promovido, sempre no primeiro sábado de cada mês, uma feira exclusiva com produtores de alimentos orgânicos, como hortaliças, frutas, verduras, mel, ovos e galinha caipira, além de remédios, derivados como bolos geleias e doces e plantas ornamentais. Desde a primeira edição do evento, o número de consumidores saltou de 185, no mês das férias, para mais de 800, em agosto.

Para o coordenador de eventos ligados aos produtos orgânicos da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Pará (Emater), José Sinval Paiva, a procura é o reflexo de uma demanda que já existe, e que finalmente será atendida em Belém. “Começamos com 14 produtores e tivemos a média de 185 consumidores. No segundo evento tivemos 13 produtores devido a um problema de frete, mas recebemos mais de 800 consumidores. Isso mostra não apenas que a divulgação melhorou, mas que a população está se informando cada vez mais e buscando por essa alimentação saudável. E o preço se torna mais acessível, pois neste caso não há atravessador. Essa demanda beneficia a todos, tanto o produtor, que pode investir mais, quanto o consumidor, que futuramente terá mais acesso aos produtos orgânicos”, diz.

A Emater, assim como a Ceasa, é um dos grandes incentivadores da produção de orgânicos no Estado, dando apoio técnico e facilitando o acesso às certificações exigidas pelo governo federal. Ainda não há números exatos sobre o volume produzido no Pará, pois existem diversos produtores que ainda estão em processo de certificação no Ministério da Agricultura ou trabalhano para adquirir a Declaração de Aptidão ao Pronaf, cedida exclusivamente para produtores familiares.

Variedade – No interior de Santa Bárbara do Pará, próximo a Mosqueiro, Alcenir do Nascimento, 50, e a esposa, Cleia Maria Gonçalves Mendonça, 42, vivem no sítio Mariano, que há seis anos vem produzindo uma grande variedade de produtos orgânicos com o apoio direto da Emater. São hortaliças, mudas, frutas, ovos, galinhas e patos, entre outros produtos beneficiados.

“Já trouxemos da nossa própria formação essa ideia de investir em produtos agroecologicos, que respeitem o ambiente, não agridam o solo e sejam mais saudáveis em relação ao que é comercializado hoje nas grandes redes. Há cinco anos a gente percebeu que isso também poderia se tornar uma tendência de mercado, que poderia ajudar toda a comunidade. Hoje nos orgulhamos da qualidade do que produzimos e levamos ao consumidor, a preço justo tanto para nós quanto para eles”, diz Alcenir.

O produtor faz parte de uma associação que reúne seis famílias – e cada uma está se especializando em diferentes produções. Ele e os vizinhos já participam da feira de orgânicos da Ceasa. A demanda se tornou tão grande que ele precisou organizar um grupo de WhatsApp para que os clientes pudessem fazer os pedidos antecipados. Antes de cada feira, os produtos já estão quase todos reservados. “Recebo encomendas e aviso quando temos produtos de acordo com a safra. Dentre os mais procurados estão sempre hortaliças, frango e ovo caipira. Sempre vendemos tudo na mesma semana”, diz Alcenir.

Enquanto Alcenir cuida da horta, Cleia é grande responsável pelas mudas e derivados como doces e óleos. Enquanto mexe uma panela de jambos que serão fervidos para se transformar em doce, a técnica agrícola explica a importância de seus produtos. “Nossas mudas, assim como nossas hortas, não têm produtos químicos para evitar pragas ou acelerar o crescimento das plantas. São naturais. Nossos doces e sucos são adoçados com folhas de stevia frescas plantadas aqui mesmo, e isso faz a diferença na hora de vendermos o nosso produto”, explica.

Em breve as famílias do assentamento onde vive Alcenir também receberão a certificação da Agência de Defesa Agropecuária do Pará (Adepara) para comercialização de produtos feitos artesanalmente. Isso significa que eles poderão confeccionar rótulos com dados específicos sobre a origem, validade e conteúdo da produção, algo que ajudará ainda mais na comercialização das hortaliças, doces, frutas, mudas e geleias.

Benefícios – A nutricionista Francisca Oliveira, da Universidade Estadual do Pará (Uepa), destaca a importância do consumo de alimentos orgânicos e acredita que a população poderá conhecer um pouco mais sobre estes produtos ao longo do tempo. “No momento ainda temos dificuldade de acesso a estes produtos devido ao preço e aos poucos lugares onde são vendidos. Agora em Belém estamos começando a ver locais como praças, shopping, supermercados e até a própria Ceasa dando destaque a estes produtos”, diz.

Ela reforça que os orgânicos são uma fonte rica e saudável de alimentação, que contêm vitaminas, minerais e outras substâncias essenciais para prevenir doenças. “Atualmente falamos muito na alimentação funcional na nutrição como forma de prevenir diversas doenças. Afinal, é muito melhor ir a uma feira do que a uma farmácia ou hospital, não é mesmo?”, compara.

Onde encontrar produtos orgânicos em Belém?

Algumas feiras já têm locais e dias fixos graças a organizações de várias associações, como a Pará Orgânico, que também recebe orientação direta da Emater. Segundo a associação, que reúne 36 famílias produtoras, existe uma variedade de mais de 100 produtos nas seguintes feiras:

Praça Brasil

– Toda quarta-feira e primeiro sábado do mês, de 7h às 12h

Praça Batista Campos

– Todo primeiro sábado do mês, de 7h às 12h

Secretaria de Desenvolvimento Agropecuário e da Pesca (Sedap)

– Toda última sexta-feira de cada mês. Endereço: Travessa do Chaco, 2.232, Marco

Ceasa

– Todo primeiro sábado do mês, 20 produtores (15 da Emater e cinco da Ceasa) são convidados a participar da feira de produtos orgânicos que ocorre no prédio central. A feira ocorre durante toda a manhã. Alguns agricultores aproveitam o momento para distribuir contatos e aceitam encomendas à domicílio. Endereço: Estrada do Murutucum, km 4, s/n, Curió. A próxima será no dia 3 de setembro

Encomendas:

Organização de Controle Social Cultivar – Sítio Mariano

– O Sítio Mariano toda semana divulga os produtos por WhatsApp conforme a colheita da semana. Contatos: (91) 991355280 e (91) 9344 3079. Também ocorrem feiras na Emater, em Marituba, na primeira e na terceira sexta-feira de cada mês.

Mais informações:

Emater: (91) 3299-3464

Ceasa: (91) 3228-9171

Para saber mais sobre orgânicos: http://www.agricultura.gov.br/portal/page/portal/Internet-MAPA/pagina-inicial/desenvolvimento-sustentavel/organicos/o-que-e-agricultura-organica/perguntas-e-respostas

Fonte: Agência Pará

Nenhum comentário

Deixe um comentário