CRF-PA | Vacina contra HPV não aumenta risco de esclerose, aponta estudo
Acesse os serviços online em qulaquer lugar
Conselho regional de farmácia do Estado do Pará
4790
post-template-default,single,single-post,postid-4790,single-format-standard,qode-quick-links-1.0,ajax_fade,page_not_loaded,,qode_grid_1300,footer_responsive_adv,hide_top_bar_on_mobile_header,qode-child-theme-ver-1.0.0,qode-theme-ver-11.2,qode-theme-bridge,bridge-child,wpb-js-composer js-comp-ver-6.10.0,vc_responsive
 

Vacina contra HPV não aumenta risco de esclerose, aponta estudo

Vacina contra HPV não aumenta risco de esclerose, aponta estudo

A vacina contra o vírus do papiloma humano não está associada a um aumento do risco de sofrer esclerose múltipla e outras doenças que atacam à mielina do sistema nervoso, constatou um estudo realizado com meninas e mulheres da Dinamarca e da Suécia.

Especialistas do SSI (“Statens Serum Institut”) de Copenhague que assinam o trabalho publicado nesta terça-feira na revista médica “JAMA Internal Medicine”, garantem que suas conclusões “não respaldam as preocupações sobre uma relação causal entre a vacina quadrivalente contra o vírus do papiloma humano (qHPV) e as doenças desmielinizantes”.

Desde a autorização da vacina quadrivalente contra vírus do papiloma humano (qHPV) em 2006 e depois da bivalente (bHPV), mais de 175 milhões de doses foram distribuídas no mundo todo.

“Vacina contra HPV é altamente segura”, garante especialista

A introdução da vacina a maior escala a um novo público-alvo, o de meninas e mulheres jovens, foi acompanhado de algumas preocupações no quesito segurança, sobre sua possível relação com o desenvolvido de esclerose múltipla e outros tipos de doenças que afetam à mielina do sistema nervoso.

Uma equipe do SSI realizou um estudo com meninas e mulheres suecas e dinamarquesas com idades entre dez e 44 anos, que foram acompanhadas de 2006 a 2013. Os pesquisadores usaram registros em nível nacional para definir o grupo de estudo, informação sobre a vacinação contra o vírus do papiloma humano e dados relativos à incidência de diagnósticos de esclerose múltipla e outras doenças desmielinizantes.

“HPV pode ser transmitido pelo contato com a pele”, alerta médica

No total, 3,98 milhões de meninas e mulheres formaram o grupo de estudo, sendo que mais de 789.082 foram vacinadas ao longo do mesmo período, com 1,92 dose da vacina quadrivalente. Durante o tempo de acompanhamento, 4.322 casos de esclerose múltipla e 3.300 de doenças que atacam à mielina do sistema nervoso foram identificados, sendo que 73 e 90 respectivamente se produziram durante o período de risco, que é de dois anos após a vacinação.

Depois de analisar os dados, os pesquisadores concluíram que “não há risco de aumento da esclerose múltipla e outras doenças desmielinizantes associadas à vacina qHPV” “Nosso estudo se acrescenta ao grupo de dados que apoiam um perfil de segurança global propício à vacina qHPV”, declarou a equipe no texto publicado.

Fonte: R7

Nenhum comentário

Deixe um comentário