CRF-PA | Hemobrás produz primeiro hemoderivado para o SUS
Acesse os serviços online em qulaquer lugar
Conselho regional de farmácia do Estado do Pará
7179
post-template-default,single,single-post,postid-7179,single-format-standard,qode-quick-links-1.0,ajax_fade,page_not_loaded,,qode_grid_1300,footer_responsive_adv,hide_top_bar_on_mobile_header,qode-child-theme-ver-1.0.0,qode-theme-ver-11.2,qode-theme-bridge,bridge-child,wpb-js-composer js-comp-ver-6.10.0,vc_responsive
 

Hemobrás produz primeiro hemoderivado para o SUS

Hemobrás produz primeiro hemoderivado para o SUS

A cola de fibrina será usada em cirurgias cardiovasculares, hepáticas, ortopédicas e neurocirurgias. Quatro hospitais públicos pernambucanos serão os primeiros a receber

A Empresa Brasileira de Hemoderivados e Biotecnologia (Hemobrás) fará a distribuição do primeiro hemoderivado produzido pela estatal, vinculada ao Ministério da Saúde. A cola de fibrina produzida no laboratório da estatal chegará primeiro para quatro hospitais públicos de Pernambuco.

Trata-se de um selante biológico elaborado com o plasma humano que reduz ou detém hemorragias em cirurgias cardiovasculares, hepáticas, ortopédicas e neurocirurgias.

Em um ano, os hospitais da Restauração (HR), do Câncer de Pernambuco (HCP) e Oswaldo Cruz (HUOC) e ao Pronto Socorro Cardiológico Universitário de Pernambuco (Procape) vão receber 3,4 litros de cola de fibrina, o suficiente para 680 cirurgias. O consumo médio é de 5 ml por procedimento.

Para o presidente da Hemobrás, Romulo Maciel Filho, este é um marco para o Brasil na capacidade da produção de hemoderivados. “Isso é efetivamente o primeiro produto da Hemobrás, e o prenúncio da construção da autossuficiência brasileira”, afirmou. No Brasil, atualmente são utilizados cerca de cinco litros de cola de fibrina por ano, basicamente pela rede privada.

Até então, a cola de fibrina era obtida exclusivamente por importação e usada, sobretudo, na rede privada, pois o Ministério da Saúde tinha dificuldade de adquiri-la devido ao alto custo no exterior – que chega a R$ 1 mil cada ml – e à baixa oferta diante da demanda mundial.

A fabricação no Laboratório de Cola de Fibrina da Hemobrás, atualmente em uma área cedida pelo Hemope, será financiada pelo Ministério da Saúde. Com isso, além de oferecer qualidade internacional, a cola brasileira proporcionará economia aos cofres públicos e ampliação do acesso da população à saúde.

“Nosso plano junto ao Ministério da Saúde é produzir o suficiente para atender usuários do SUS em todo o País que antes não tinham acesso à cola de fibrina.Para 2013, a previsão são 13 litros; mais 14 litros em 2014 e outros 16 litros em 2015”, salienta o chefe do Serviço de Produção de Cola de Fibrina, Frederico Monteiro.

A Hemobrás começou a enviar o produto aos hospitais no início desta semana, sem nenhum custo direto, sendo cada remessa em média de 200 ml. Para o HR, está previsto 1 litro de cola de fibrina por ano para neurocirurgias. Para o HUOC, serão 800 ml para cirurgias hepáticas e transplantes de fígado no mesmo período.

Para o Procape, serão 800 ml para cirurgias cardiovasculares ao longo dos próximos 12 meses. Já para o HCP, serão 800 ml para cirurgias de cabeça e pescoço. A expectativa da Hemobrás é, posteriormente, distribuir o selante biológico para outros hospitais públicos de Pernambuco e também de outros estados.

Todos seguirão os mesmos pré-requisitos: serão selecionadas pelo Ministério da Saúde por possuírem demanda dos procedimentos para o qual o hemocomponente é recomendado, contarem com estrutura para seu correto armazenamento e disporem de profissionais com experiência em seu manuseio.

A cola de fibrina não possui contraindicação ou risco de rejeição. “Ao contrário, provoca a regeneração de ossos e tecidos e a formação de novos vasos. Ela não substitui os tradicionais pontos, mas atua como um complemento, um vedador e acelerador do processo de cicatrização”, afirma o consultor científico da Hemobrás, Wellington Cavalcanti, que fará a demonstração e o treinamento dos médicos quanto ao uso do produto nas cirurgias, quando solicitado pelos hospitais beneficiados.

Distribuição

A distribuição produto será feita do Laboratório da Hemobrás diretamente para os serviços de hemoterapia das unidades de saúde, em caixas que manterão a temperatura de transporte abaixo de 20°C negativos (a mesma sob a qual deverá ficar armazenada até ser utilizada).

A apresentação do material é na forma líquida, em frascos-seringa que variam de 1 ml a 6 ml. O produto pode ser usado imediatamente após seu descongelamento, que ocorre em aproximadamente oito minutos.

Cola de fibrina da Hemobrás

A cola de fibrina da Hemobrás é um selante biológico elaborado a partir do plasma humano, que por sua vez é um dos componentes do sangue.

O método que a Hemobrás desenvolveu utiliza um equipamento especialmente desenhado para a produção de cola de fibrina, a partir de seis bolsas de plasma, com todas as variáveis de produção controladas.

Para garantir a segurança do produto, é aplicado um método de inativação viral do plasma, além de testes de biologia molecular para detecção do genoma dos vírus HIV, HCV, HBV, HAV e Parvovírus B19 nos plasmas que serão utilizados na obtenção da cola de fibrina.

As situações nas quais a cola de fibrina tem sido empregada com sucesso vão desde cirurgias cardíacas, vasculares, ortopédicas, neurológicas e plásticas de alta complexidade, passando por cirurgias dentárias em pacientes com coagulopatias e tratamento de hemorragias digestivas altas.

A cola de fibrina é normalmente usada em locais que os clínicos ou cirurgiões não têm acesso ou não têm como promover a hemostasia (coagulação) pelos métodos tradicionais, como sutura ou eletrocoagulação.

Sua ação no ser humano reproduz a fase final da coagulação sanguínea, onde o fibrinogênio é convertido em fibrina na presença de trombina, fator XIII, fibronectina e cálcio ionizado (proteínas do plasma). A trombina e o fibrinogênio promovem o “selamento” da área cirúrgica.

Fonte: Portal do Planalto e Ministério da Saúde

 

Nenhum comentário

Deixe um comentário