CRF-PA | Aquecimento global poderá espalhar epidemias, diz OMS
Acesse os serviços online em qulaquer lugar
Conselho regional de farmácia do Estado do Pará
5212
post-template-default,single,single-post,postid-5212,single-format-standard,qode-quick-links-1.0,ajax_fade,page_not_loaded,,qode_grid_1300,footer_responsive_adv,hide_top_bar_on_mobile_header,qode-child-theme-ver-1.0.0,qode-theme-ver-11.2,qode-theme-bridge,bridge-child,wpb-js-composer js-comp-ver-6.10.0,vc_responsive
 

Aquecimento global poderá espalhar epidemias, diz OMS

Aquecimento global poderá espalhar epidemias, diz OMS

Além de aumentar a incidência de problemas respiratórios sérios, o aquecimento global poderá espalhar doenças como a malária e a dengue para áreas que antes estavam “protegidas”dessas epidemias pelo frio e outras condições climáticas.

A OMS (Organização Mundial da Saúde) está discutindo essas e outras consequências do aumento mundial de temperaturas em Genebra, em sua primeira conferência internacional sobre o impacto do aquecimento global na saúde pública.

Temperaturas mais altas significam mais ondas de calor e alterações no padrão de chuvas em várias partes do globo. Além de causarem transtornos por si só, essas mudanças também afetam as lavouras e a produção de alimentos. Segundo a OMS, as populações pobres são as mais vulneráveis a essa situação. “A boa notícia é que reduzindo as mudanças climáticas nós podemos ter benefícios substanciais e imediatos”, disse Maria Neira, diretora do departamento de saúde pública e ambiente da organização.

“O exemplo mais poderoso é a poluição do ar, que em 2012 foi responsável por 7 milhões de mortes 1 em cada 7 mortes no mundo. Existem evidências sólidas de que mitigar o aquecimento global pode reduzir muito esse número”, acrescentou.

A OMS foi enfática ao pedir mais ação de autoridades para lidar com as consequências e prevenir os danos à saúde das mudanças climáticas.

CIGARRO

A OMS também divulgou na terça-feira (26) um relatório em que pede um controle mais rígido sobre as comercializações dos cigarros eletrônicos.

A entidade pede atenção dos governos às táticas usadas pelas companhias para atrair fumantes mais jovens, além do controle do uso dos chamados “e-cigarros” em ambientes públicos.

Fonte: Folha de S.Paulo 

Nenhum comentário

Deixe um comentário