OMS alerta para resistência criada pelo ’Aedes’ aos inseticidas — CRF-PA
Acesse os serviços online em qulaquer lugar
Conselho regional de farmácia do Estado do Pará
3793
post-template-default,single,single-post,postid-3793,single-format-standard,qode-quick-links-1.0,ajax_fade,page_not_loaded,,qode_grid_1300,footer_responsive_adv,hide_top_bar_on_mobile_header,qode-theme-ver-11.2,qode-theme-bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-5.2.1,vc_responsive
 

OMS alerta para resistência criada pelo ’Aedes’ aos inseticidas

OMS alerta para resistência criada pelo ’Aedes’ aos inseticidas

GENEBRA -­ A Organização Mundial da Saúde (OMS) alerta que cresce a resistência do mosquito Aedes aegypti contra inseticidas e pede que governos atuem contra o vetor da dengue, da zika e da chikungunya com uma atuação controlada do uso de produtos químicos.

A resistência a inseticidas está se espalhando entre mosquitos”, indicou a OMS. “Para minimizar o impacto da resistência em programas de controle, decisões adequadas devem ser tomadas”, declarou a entidade em um novo estudo publicado nesta terça­feira, 8.

Segundo ela, muitos governos têm optado por inseticidas baratos e de impacto moderado para evitar gastos elevados. Mas o resultado pode ser o desenvolvimento de mosquitos mais resistentes e a necessidade de voltar a usar produtos químicos, desta vez mais caros e afetando a capacidade de governos de garantir uma cobertura do programa a toda a área que precisaria ser atingida.

“O desenvolvimento de resistência leva a uma mudança a opções mais caras, comprometendo a cobertura”, indicou a OMS.

Para a entidade, o plano de ação de um combate ao vetor da dengue deve ser acompanhado por diferentes métodos. Um deles se refere à rotação de diferentes produtos, idealmente não repetindo o mesmo inseticida durante um intervalo de dois anos.

Se a área geográfica a ser controlada for grande, a OMS sugere que governos usem diferentes inseticidas em cada um dos bairros sob alvo de uma operação.

A OMS também pede que haja um controle de criadouros, ao mesmo tempo em que o inseticida seja usado. O uso de redes em casas, roupas adequadas e maior uso de repelente também é sugerido.

A entidade, porém, admite que a estratégia de diversificar os instrumentos contra o vetor é “de difícil implementação, especialmente com uma epidemia ganha força e quando é chave conter o surto”.

Fonte: ESTADÃO

Nenhum comentário

Deixe um comentário