Margem de lucro maior faz farmácias subirem oferta de não-medicamentos — CRF-PA
Acesse os serviços online em qulaquer lugar
Conselho regional de farmácia do Estado do Pará
3623
post-template-default,single,single-post,postid-3623,single-format-standard,qode-quick-links-1.0,ajax_fade,page_not_loaded,,qode_grid_1300,footer_responsive_adv,hide_top_bar_on_mobile_header,qode-theme-ver-11.2,qode-theme-bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-5.2.1,vc_responsive
 

Margem de lucro maior faz farmácias subirem oferta de não-medicamentos

Margem de lucro maior faz farmácias subirem oferta de não-medicamentos

A categoria de não-medicamentos é a que tem apresentado o maior crescimento nas vendas dentro das farmácias e drogarias, puxando para cima a receita do setor. A margem de lucro maior, em comparação com os medicamentos, é um dos atrativos de vender esses itens, e estimula o investimento das lojas no segmento.

Segundo dados da Associação Brasileira de Redes de Farmácias e Drogarias (Abrafarma) referentes ao primeiro quadrimestre, de 2011 até 2016 o crescimento acumulado do faturamento desse grupo – que engloba principalmente artigos de perfumaria e higiene pessoal – foi de 132,61%. À título de comparação, nesse mesmo período os medicamentos tiveram alta acumulada de 92,15%.

“Os não medicamentos já representam quase 35% da receita total do setor, o que mostra que o consumidor cada vez mais quer conveniência, buscando em um mesmo lugar um mix amplo de produtos”, diz o presidente executivo da Abrafarma, Sergio Mena Barreto.

A importância da categoria é visível no balanço do primeiro trimestre deste ano de três grandes redes de farmácias: Raia Drogasil, Pague Menos e BR Pharma. Em todas elas, o grupo de não-medicamentos foi o que apresentou o maior crescimento no período. Na Raia Drogasil, maior rede do País com 1.274 lojas, esses itens já representam 28,6% do faturamento total da empresa. De janeiro a março, o crescimento foi de 27,3%. Na Pague Menos, que possui 849 unidades, a categoria já representa 31,4% e o acréscimo nesse período foi de 28,9%, valor consideravelmente maior do que o registrado nas demais categorias.

O forte crescimento na venda desses artigos nos últimos anos é creditado pelo presidente da Pague Menos, Francisco Deusmar de Queirós, à ascensão da classe D e E. De acordo com ele, a melhoria das condições sociais de uma camada significativa da população brasileira, a partir de 2002, gerou um aumento na procura por produtos desse tipo, o que influenciou o crescimento da venda nas farmácias.

A estrutura e o preparo cada vez maior das drogarias é outra explicação para esse aumento. “O consumidor encontra em nossas lojas um sortimento grande de produtos de higiene e beleza, preços competitivos e conveniência”, diz o vice-presidente de relações institucionais da Raia Drogasil, Antonio Carlos de Freitas. Segundo ele, isso faz com que o cliente não enxergue mais a farmácia como um espaço que vende apenas medicamentos, mas que oferece também bem-estar.

Para o dono da farmácia Maxifarma, no Paraná, EdenirZandona, esse crescimento se deve a uma mudança no hábito dos consumidores, que migraram a compra desses artigos dos supermercados para as farmácias. “Isso começou há cerca de cinco anos. As drogarias passaram a conseguir negociações melhores nesses produtos, e os preços acessíveis atraíram os clientes”, diz.

Fonte: Guia da Farmácia

Nenhum comentário

Deixe um comentário