"Entrevista Farmacêutica" fala da febre amarela — CRF-PA
Acesse os serviços online em qulaquer lugar
Conselho regional de farmácia do Estado do Pará
3409
post-template-default,single,single-post,postid-3409,single-format-standard,qode-quick-links-1.0,ajax_fade,page_not_loaded,,qode_grid_1300,footer_responsive_adv,hide_top_bar_on_mobile_header,qode-theme-ver-11.2,qode-theme-bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-5.2.1,vc_responsive
 

“Entrevista Farmacêutica” fala da febre amarela

“Entrevista Farmacêutica” fala da febre amarela

O farmacêutico-bioquímico DR. OLINDO ASSIS MARTINS FILHO é o convidado da “Entrevista Farmacêutica” desta quarta-feira (08.01.17). Ele vai falar sobre a febre amarela. DR. OLINDO é uma das maiores autoridades brasileiras no assunto. Graduou-se, em 1989, em Farmácia Bioquímica pela Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP). É mestre em Bioquímica e Imunologia pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), foi pesquisador visitante na Johns Hopikns University, em 1994, e fez doutorado em Bioquímica e Imunologia, também, pela UFMG.

DR. OLINDO é, ainda, pós-doutorado pela The University Of Texas Houston (UTH), Estados Unidos. Atua como pesquisador titular da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), onde chefia o laboratório de biomarcadores de diagnóstico e monitoração do Centro de Pesquisas René Rachou, em Minas. Tem experiência na área de imunologia celular e molecular, com ênfase na busca de novas metodologias aplicadas ao diagnóstico, imunidade vacinal e monitoração de doenças infecto-parasitárias, incluindo a doença de Chagas, as leishmanioses Tegumentar, Visceral Humana e Canina, as flaviviroses (Febre Amarela e Hepatite C) e infecção humana pelo HTLV-I.

Ele falará sobre questões que estão no centro das preocupações da população, nesses tempos de febre amarela. Uma delas é sobre a possibilidade de a doença expandir-se para a área urbana, onde seria transmitida pelo Aedes Aegypti, e que impacto sanitário isso causaria. Outa questão a ser abordada será a origem do recrudescimento da febre amarela, no Brasil. Pode-se atribuir ao desequilíbrio ambiental parte da responsabilidade pela epidemia? A segurança da vacina e outras formas de prevenção contra a doença, também, serão abordadas.

ALCANCE DA ENTREVISTA – A “Entrevista Farmacêutica” vai ao ar, a partir das 15h30, pela “Rádio Nacional da Amazônia” (Ondas Curtas 11.780 KHz e 6.180KHz), emissora da EBC (Empresa Brasil de Comunicação). Esta entrevista será editada e veiculada, também, por uma rede formada por 2.200 emissoras de rádio localizadas, em todo o Brasil e, também, nos Estados Unidos (Flórida e Connecticut), Argentina, Uruguai, Paraguai e Guiana. A rede é liderada pela “Agência Radioweb”.

A “Entrevista Farmacêutica” é um esforço conjunto do CFF e da “Rádio Nacional da Amazônia”/EBC e tem o objetivo de levar à população informações em saúde, com um sentido de utilidade pública. É idealizada e produzida pelo jornalista Aloísio Brandão, assessor de imprensa do CFF, e apresentada pela jornalista Artemisa Azevedo, da EBC.

CLIQUE AQUI E OUÇA A “ENTREVISTA FARMACÊUTICA” AO VIVO. Assim, você acessará a página da EBC. Em seguida, clique em “ouvir”.

Para ter acesso às entrevistas gravadas, entre na página do CFF (www.cff.org.br) e acesse o link para a “Entrevista Farmacêutica”.

Fonte: CFF

Nenhum comentário

Deixe um comentário