Aspirina pode ajudar no tratamento de tumores no cérebro, aponta estudo — CRF-PA
Acesse os serviços online em qulaquer lugar
Conselho regional de farmácia do Estado do Pará
3575
post-template-default,single,single-post,postid-3575,single-format-standard,qode-quick-links-1.0,ajax_fade,page_not_loaded,,qode_grid_1300,footer_responsive_adv,hide_top_bar_on_mobile_header,qode-theme-ver-11.2,qode-theme-bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-5.2.1,vc_responsive
 

Aspirina pode ajudar no tratamento de tumores no cérebro, aponta estudo

Aspirina pode ajudar no tratamento de tumores no cérebro, aponta estudo

Um dos medicamentos mais comuns das farmácias pode ser a chave para tratar tumores cerebrais, de acordo com estudo realizado pelo Brain Tumor Research, da Universidade de Portsmouth, no Reino Unido. Pesquisadores da instituição descobriram que a aspirina em uma versão líquida pode ser até 10 vezes mais eficiente do que as drogas usadas atualmente.

Em laboratório, os especialistas desenvolveram uma fórmula a base de aspirina acrescida de dois ingredientes não revelados em uma versão líquida. Chamado de “IP1867B”, o fármaco ajudaria a romper uma barreira de proteção do cérebro que impede os medicamentos de atacarem o tumor. Nos testes realizados, tanto o composto quanto os ingredientes separados se mostraram 10 vezes mais eficientes no combate às células cancerosas de adultos e crianças.

Apesar de não revelar o nome dos outros dois componentes da formulação, os pesquisadores garantem que todos já são aprovados para uso clínico e que eles não afetam as células normais do órgão.

— Este é um potencial divisor de águas para a investigação sobre tumores cerebrais e mostra claramente o que a pesquisa sustentável é capaz de alcançar. É a ciência como esta que nos permitirá, eventualmente, encontrar uma cura para esta doença devastadora que mata mais crianças e adultos com menos de 40 anos de idade do que qualquer outro câncer — disse a diretor do Brain Tumor Research, Sue Farrington Smith.

Novos testes devem indicar se a fórmula poderá ser testada em pacientes que sofrem com a doença.

Fonte: Zero Hora Online

Nenhum comentário

Deixe um comentário