Anvisa proíbe venda de vermífugo albendazol da Brainfarma — CRF-PA
Acesse os serviços online em qulaquer lugar
Conselho regional de farmácia do Estado do Pará
3485
post-template-default,single,single-post,postid-3485,single-format-standard,qode-quick-links-1.0,ajax_fade,page_not_loaded,,qode_grid_1300,footer_responsive_adv,hide_top_bar_on_mobile_header,qode-theme-ver-11.2,qode-theme-bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-5.2.1,vc_responsive
 

Anvisa proíbe venda de vermífugo albendazol da Brainfarma

Anvisa proíbe venda de vermífugo albendazol da Brainfarma

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) proibiu a fabricação, venda, uso e distribuição do medicamento albendazol 40mg/mL, suspensão oral, da empresa Brainfarma. A determinação foi publicada, nesta terça-feira, no Diário Oficial da União.

O registro do remédio, que é usado no tratamento de verminoses, já havia sido cancelado em novembro de 2013, quando o pedido de renovação foi indeferido. No entanto, o lote B14D0370 (validade 4/2017), produzido antes deste cancelamento, foi avaliado pela Fundação Ezequiel Dias. Laudos laboratoriais revelaram resultados insatisfatórios no ensaio de teor de princípio ativo do medicamento.

A agência negou a continuidade de comercialização de todos os lotes do medicamento. Assim, a empresa deverá recolher todo o estoque de lotes existentes no mercado fabricados após 18/11/2013, além do lote nº B14D0370, que foi fabricado antes desta data.

Em setembro do ano passado, a Anvisa havia determinado o recolhimento de um lote do medicamento Albendazol 400mg comprimido, da empresa Cimed Indústria de Medicamentos Ltda, com validade até agosto de 2016. A medida, motivada por um “desvio de qualidade”, como informou a agência, e tinha validade de 90 dias.

Em nota, o laboratório informou que recorreu da decisão da Anvisa porque, na análise, não foi identificada irregularidades em amostra de controle. “Em respeito ao consumidor”, a empresa complementa que recolheu voluntariamente o estoque remanescente do lote no mercado. A Brainfarma disse, ainda, que não fabricou ou vendeu qualquer lote após o cancelamento do registro do produto junto à Anvisa, que foi motivado pela falta de interesse comercial da empresa em renovar o registro junto ao órgão. “Os lotes até então fabricados e comercializados não possuem qualquer desvio de qualidade, nem representam qualquer risco à saúde”, finalizou a empresa.

Fonte: O Globo

Nenhum comentário

Deixe um comentário