CRF-PA | Novo fármaco que trata o ebola consegue bons resultados, diz estudo
Acesse os serviços online em qulaquer lugar
Conselho regional de farmácia do Estado do Pará
4649
post-template-default,single,single-post,postid-4649,single-format-standard,qode-quick-links-1.0,ajax_fade,page_not_loaded,,qode_grid_1300,footer_responsive_adv,hide_top_bar_on_mobile_header,qode-child-theme-ver-1.0.0,qode-theme-ver-11.2,qode-theme-bridge,bridge-child,wpb-js-composer js-comp-ver-6.10.0,vc_responsive
 

Novo fármaco que trata o ebola consegue bons resultados, diz estudo

Novo fármaco que trata o ebola consegue bons resultados, diz estudo

Um tratamento contra o ebola financiado pela União Europeia e desenvolvido por um instituto francês alcançou “resultados promissores” que levam a acreditar que o fármaco poderia ser eficaz para combater a doença em uma fase inicial, informou a Comissão Europeia (CE).

“A luta contra o ebola avança mais um passo rumo a um tratamento efetivo” graças aos fundos europeus destinados a programas de pesquisa e inovação, de acordo com um comunicado divulgado na terça-feira (24).

O Instituto Nacional de Saúde e Pesquisa Médica da França (Inserm) anunciou esta semana uma evidência encorajadora que o fármaco antiviral favipiravir poderia ser um tratamento eficaz contra o ebola em um primeiro estágio.

Segundo os resultados do experimento, o favipiravir reduz as possibilidades de mortalidade de 15% a 30% nos estágios iniciais da doença. No entanto, em crianças e pacientes com alto grau de contaminação pelo vírus, o resultado não é efetivo.

Dinheiro aplicado
O projeto da Inserm, conhecido como Reaction (Reação), receberá 2,5 bilhões de euros da União Europeia. As atividades de pesquisa já receberam 1,93 milhão de euros e começaram em 1 de novembro de 2014.

“Estou entusiasmado com esses resultados de um de nossos projetos financiados pela UE para combater o ebola”, destacou o comissário europeu da Pesquisa, Ciência e Inovação, Carlos Moedas.

Segundo ele, assim que os resultados se confirmem através dos testes clínicos que estão sendo realizados, este se tornará o primeiro tratamento contra a doença durante o atual surto.

Em setembro de 2014, a CE mobilizou 24,4 milhões de euros do programa Horizonte 2020 para apoiar a pesquisa urgente do ebola através de um procedimento rápido.

Médicos Sem Fronteiras
De acordo com a organização Médicos Sem Fronteiras (MSF), os testes clínicos iniciados em dezembro mostraram eficácia e podem reduzir o índice de mortes.

A ONG afirma que experimentou o medicamento em tratamentos em Guekedu, na Guiné.

No total, desde que começou a epidemia do ebola em dezembro do 2013, a Organização Mundial da Saúde (OMS) contabilizou 23.539 casos confirmados, suspeitos e prováveis da doença, dos quais 9.541 pessoas morreram.

Fonte: G1

Nenhum comentário

Deixe um comentário