CRF-PA | Italianos descobrem molécula que pode evitar infarto
Acesse os serviços online em qulaquer lugar
Conselho regional de farmácia do Estado do Pará
5014
post-template-default,single,single-post,postid-5014,single-format-standard,qode-quick-links-1.0,ajax_fade,page_not_loaded,,qode_grid_1300,footer_responsive_adv,hide_top_bar_on_mobile_header,qode-child-theme-ver-1.0.0,qode-theme-ver-11.2,qode-theme-bridge,bridge-child,wpb-js-composer js-comp-ver-6.10.0,vc_responsive
 

Italianos descobrem molécula que pode evitar infarto

Italianos descobrem molécula que pode evitar infarto

Pesquisadores italianos, da Universidade Católica de Roma, descobriram uma molécula que poderia ser uma solução para prevenir o infarto cardíaco.

A “molécula-freio” pode reduzir o risco que a “placa arterosclerótica” (uma formação nociva que se apresenta em grandes vasos sanguíneos de pessoas com propensão à doença) se rompa impedindo o fluxo de sangue para o coração e então causando o infarto. Esta descoberta é fruto do estudo realizado na Universidade Católica de Roma por um grupo de cardiologistas coordenados pelo professor Filippo Crea e será publicada na revista científica “Basic Research in Cardiology”. O freio torna inofensivas as células com propriedades inflamatórias que favorecem a ruptura da placa.

A arteriosclerose é uma inflamação crônica da parede da artéria, normalmente associada à formação de uma placa, um aumento da parede interna das artérias principalmente pelo acúmulo de gordura e do tecido, que forma uma proteção na própria placa.

Esta placa pode se romper por vários motivos, entre eles pelo ataque das células inflamatórias que geram reações locais e a enfraquecem.

Os especialistas observaram que estas células inflamatórias são dotadas de um “freio molecular”, a molécula “CD31” que contém a ação nociva.

Também foi observado que o freio “CD31” pode falhar deixando as células inflamatórias soltas provocando a ruptura da placa e por consequência o infarto.

A partir desta descoberta podem ser desenvolvidos remédios que potencializem a eficácia da “CD31” específicos para as pessoas que sofrem risco desta doença.

Fonte: Agência ANSA

Nenhum comentário

Deixe um comentário