CRF-PA | Encontro na Fundação Santa Casa debate tratamento da hepatite C
Acesse os serviços online em qulaquer lugar
Conselho regional de farmácia do Estado do Pará
5788
post-template-default,single,single-post,postid-5788,single-format-standard,qode-quick-links-1.0,ajax_fade,page_not_loaded,,qode_grid_1300,footer_responsive_adv,hide_top_bar_on_mobile_header,qode-child-theme-ver-1.0.0,qode-theme-ver-11.2,qode-theme-bridge,bridge-child,wpb-js-composer js-comp-ver-6.10.0,vc_responsive
 

Encontro na Fundação Santa Casa debate tratamento da hepatite C

Encontro na Fundação Santa Casa debate tratamento da hepatite C

Centro de referência estadual no tratamento de doenças do fígado, a Fundação Santa Casa do Pará sediou um encontro entre profissionais da área de saúde nesta sexta-feira (25). O principal assunto debatido foi o tratamento para vítimas de hepatite C. O médico Mário Guimarães Pessoa, da Universidade de São Paulo (USP), coordenou uma palestra para repassar a experiência desenvolvida em um dos maiores polos de tratamento da enfermidade. Segundo ele, a incidência da doença exige a capacitação de médicos para solucionar o problema.

No Brasil, a hepatite C atinge cerca de 2,6 milhões de indivíduos, sendo que menos de 10% sabem que estão infectados. Diante destes dados, há o desenvolvimento de novas drogas para tornar o tratamento mais eficaz. “Em todo o país, estamos começando a utilização de antivirais orais, já disponíveis no Sistema Único de Saúde. A possibilidade de cura é maior, mas há uma complexidade no manejo do medicamento. Nosso papel é trazer um pouco da experiência adquirida”.

A hepatite C é uma doença causada por vírus e que atinge o fígado. Usuários de drogas ou pessoas que tiveram contato com objetos íntimos de indivíduos infectados podem ser alvos. A hepatite C pode evoluir para quadros preocupantes, como cirrose ou câncer de fígado.

A USP é um centro de referência nacional no tratamento da doença, realizando inclusive o transplante de fígado. Na Santa Casa, segundo dados da médica Lizomar Moia, diretora de Ensino e Pesquisa da instituição, cerca de 50 pacientes são atendidos por semana com quadro clínico de hepatite C. Dez médicos estão disponíveis para atender esta demanda.

A importância do debate foi enfatizada pela médica infectologista Débora Onuma, servidora efetiva da Fundação há cinco anos. “O que queremos é ter mais segurança e tratar ainda melhor os nossos pacientes. Este tipo de debate é esclarecedor, pois ele nos atualiza sobre a nova forma de tratamento da hepatite C”.

Além de Mário Pessoa, os médicos Daniel Mazo e Cláudia Oliveira, ambos da USP, participaram do debate. O encontro foi promovido pela empresa Janssen Cilag (produtos farmacêuticos), já ocorreu em outras cidades, como São Paulo, São Luís e Teresina e tem o apoio da Coordenação Estadual de Hepatites Virais.


Fonte: Agência Pará

Nenhum comentário

Deixe um comentário

 

Encontro na Fundação Santa Casa debate tratamento da hepatite C

Encontro na Fundação Santa Casa debate tratamento da hepatite C

Centro de referência estadual no tratamento de doenças do fígado, a Fundação Santa Casa do Pará sediou um encontro entre profissionais da área de saúde nesta sexta-feira (25). O principal assunto debatido foi o tratamento para vítimas de hepatite C. O médico Mário Guimarães Pessoa, da Universidade de São Paulo (USP), coordenou uma palestra para repassar a experiência desenvolvida em um dos maiores polos de tratamento da enfermidade. Segundo ele, a incidência da doença exige a capacitação de médicos para solucionar o problema.

No Brasil, a hepatite C atinge cerca de 2,6 milhões de indivíduos, sendo que menos de 10% sabem que estão infectados. Diante destes dados, há o desenvolvimento de novas drogas para tornar o tratamento mais eficaz. “Em todo o país, estamos começando a utilização de antivirais orais, já disponíveis no Sistema Único de Saúde. A possibilidade de cura é maior, mas há uma complexidade no manejo do medicamento. Nosso papel é trazer um pouco da experiência adquirida”.

A hepatite C é uma doença causada por vírus e que atinge o fígado. Usuários de drogas ou pessoas que tiveram contato com objetos íntimos de indivíduos infectados podem ser alvos. A hepatite C pode evoluir para quadros preocupantes, como cirrose ou câncer de fígado.

A USP é um centro de referência nacional no tratamento da doença, realizando inclusive o transplante de fígado. Na Santa Casa, segundo dados da médica Lizomar Moia, diretora de Ensino e Pesquisa da instituição, cerca de 50 pacientes são atendidos por semana com quadro clínico de hepatite C. Dez médicos estão disponíveis para atender esta demanda.

A importância do debate foi enfatizada pela médica infectologista Débora Onuma, servidora efetiva da Fundação há cinco anos. “O que queremos é ter mais segurança e tratar ainda melhor os nossos pacientes. Este tipo de debate é esclarecedor, pois ele nos atualiza sobre a nova forma de tratamento da hepatite C”.

Além de Mário Pessoa, os médicos Daniel Mazo e Cláudia Oliveira, ambos da USP, participaram do debate. O encontro foi promovido pela empresa Janssen Cilag (produtos farmacêuticos), já ocorreu em outras cidades, como São Paulo, São Luís e Teresina e tem o apoio da Coordenação Estadual de Hepatites Virais.


Fonte: Agência Pará

Nenhum comentário

Deixe um comentário