CRF/PA visita Farmácia Universitária da UFOPA — CRF-PA
Acesse os serviços online em qulaquer lugar
Conselho regional de farmácia do Estado do Pará
19455
post-template-default,single,single-post,postid-19455,single-format-standard,qode-quick-links-1.0,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-title-hidden,qode_grid_1300,footer_responsive_adv,hide_top_bar_on_mobile_header,qode-theme-ver-11.2,qode-theme-bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-5.2.1,vc_responsive

CRF/PA visita Farmácia Universitária da UFOPA

Na última quarta-feira, 11.11, o Conselho Regional de Farmácia do Pará visitou a instalação da primeira Farmácia Universitária do Oeste do estado, na Universidade Federal do Oeste do Pará, que deverá ser inaugurada no próximo mês.

O CRF/PA foi representado pela Dra. Lucilene Noronha e pelo fiscal Pedro Gallotte, que aproveitou para dar a primeira orientação técnica sobre o local. Também participaram da visita o Dr. Wilson Sabino, Diretor do Instituto de Saúde Coletiva da UFOPA, e as Dras. Flávia Garcez (vice-diretora do Instituto e coordenadora da farmácia) e Daniele Ferreira, Responsável Técnica da farmácia universitária.

O CRF/PA acompanhou todo o desenvolvimento da criação da farmácia, desde o início do ano, orientando, assessorando e acompanhando a parte técnica e estrutural.

A farmácia colabora diretamente para a qualificação na Formação de profissionais no que diz respeito ao uso racional de medicamentos, tanto na graduação quanto na pós-graduação. Em um primeiro momento, a farmácia estará trabalhando com os fitoterápicos, sendo produzidos na própria farmácia, de acordo com todas as normas da Anvisa sobre as boas práticas de fabricação de produtos fitoterápicos. Posteriormente, a farmácia deverá ampliar o leque de produção.

Dr. Wilson acredita que o primeiro impacto para a sociedade será a formação de profissionais altamente qualificados e já com experiência, o que beneficiará diretamente a população no atendimento e na dispensação farmacêutica, que deverá ser realizada nas dependências da farmácia, devidamente preparada para essa finalidade. “Também estenderemos todo esse trabalho às comunidades, principalmente às comunidades ribeirinhas ao redor do Tapajós e do rio Arapiuns”, enfatiza. Além disso, existe a “possibilidade da população vir a ter medicamentos fitoterápicos de alta qualidade e que a população poderá saber o que de fato está consumindo”, conclui o professor.

Nenhum comentário

Deixe um comentário