CRF-PA | China está perto de epidemia de doenças cardiovasculares
Acesse os serviços online em qulaquer lugar
Conselho regional de farmácia do Estado do Pará
4583
post-template-default,single,single-post,postid-4583,single-format-standard,qode-quick-links-1.0,ajax_fade,page_not_loaded,,qode_grid_1300,footer_responsive_adv,hide_top_bar_on_mobile_header,qode-child-theme-ver-1.0.0,qode-theme-ver-11.2,qode-theme-bridge,bridge-child,wpb-js-composer js-comp-ver-6.10.0,vc_responsive
 

China está perto de epidemia de doenças cardiovasculares

China está perto de epidemia de doenças cardiovasculares

Má alimentação, tabagismo e obesidade: estes fatores podem estar na origem de uma possível epidemia de doenças coronarianas na China, onde três em cada quatro pessoas sofrem de condições cardiovasculares precárias – é o que diz um estudo publicado nesta segunda-feira.

As descobertas, publicadas no Journal of the American College of Cardiology, se baseiam em dados de 96.000 homens e mulheres da população média da China.

As condições de saúde foram classificadas em ’ideal’, ’intermediária’ ou ’precária’ de acordo com sete comportamentos e fatores de estilo de vida estabelecidos pela Associação Norte-americana do Coração (American Heart Association, em inglês): tabagismo, índice de massa corporal, atividade física, dieta, colesterol, pressão arterial e glicose.

Apenas 0,2% dos homens e mulheres do país mais populoso do mundo apresentou condições cardiovasculares de saúde “ideais”, segundo o estudo.

Apenas cinco por cento dos homens e 22% das mulheres alcançaram condições “ideais” em quatro fatores de saúde: índice de massa corporal, prática de atividade física, dieta saudável e não fumar.

Doenças cardiovasculares são as principais causas de morte na China, e a incidência de diabetes no país mais que dobrou na última década.

“Sem uma intervenção efetiva, as doenças cardiovasculares vão se tornar epidêmicas num futuro próximo na China”, mostrou o estudo liderado por Yufang Bi e o co-autor Guang Ning, da escola de medicina da universidade Jiao-Tong, em Xangai, China.

“Dos sete indicadores observados, aderir a uma dieta saudável era o menos comum entre todas as estatísticas médicas cardiovasculares, chegando a 1,6% entre homens e mulheres”, disse o estudo.

Os médicos pediram à China que adote um plano nacional de combate às doenças cardiovasculares para ajudar a melhorar a saúde de seus cidadãos.

“Embora a China seja muito avançada no campo tecnológico, o país enfrenta um fardo terrível com as doenças cardiovasculares, como fica demonstrado neste e em outros estudos”, disse Valentin Fuster, editor-chefe do Journal of the American College of Cardiology.

“O país se beneficiaria de uma abordagem estratégica a nível nacional, focada em atenuar cada um dos fatores de risco, ao lado de esforços educacionais regionais e individuais”, acrescentou.

Fonte: Terra

Nenhum comentário

Deixe um comentário