Venda e aplicação de vacinas em farmácia só terão regras em um mês — CRF-PA
Acesse os serviços online em qulaquer lugar
Conselho regional de farmácia do Estado do Pará
3710
post-template-default,single,single-post,postid-3710,single-format-standard,qode-quick-links-1.0,ajax_fade,page_not_loaded,,qode_grid_1300,footer_responsive_adv,hide_top_bar_on_mobile_header,qode-theme-ver-11.2,qode-theme-bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-5.2.1,vc_responsive
 

Venda e aplicação de vacinas em farmácia só terão regras em um mês

Venda e aplicação de vacinas em farmácia só terão regras em um mês

Dentro de, no máximo, um mês, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) deverá publicar uma nota técnica para deixar mais claras as regras que autorizam farmácias a vender e aplicar vacinas.

A Abrafarma Associação Brasileira Redes Farmácias Drogaria (Abrafarma) diz não ter um cálculo para o mercado em potencial que poderá ser aberto com o novo texto, mas observa uma demanda reprimida no Brasil. A entidade contabiliza 70,4 mil farmácias no país. “Sem dúvida, seria uma nova fronteira de negócios”, afirma o presidente Abrafarma, Sérgio Mena Barreto.

Uma portaria, de agosto de 2000, já prevê a vacinação em drogarias, mas, na prática, inviabiliza a atividade, pois as regras se contradizem com as leis de controle sanitário que regulamentam o setor, afirma Barreto.

“Uma das exigências é que haja um consultório médico no local, o que é proibido. É uma norma frágil, elaborada para clínicas particulares”. A entidade se queixa da lentidão para criar um texto específico à farmácias.

O principal efeito da ampliação da atividade deverá ser a queda dos preços, afirma Barreto. No caso da vacina contra o vírus H1N1, clínicas com preços abusivos têm sido notificadas pela Fundação Procon. “Quanto mais postos, maior a concorrência.”

Fonte: Folha On-Line – SP (20/04/2016)

Nenhum comentário

Deixe um comentário