Remédios podem ter reajuste de até 12,5%, dia 31 — CRF-PA
Acesse os serviços online em qulaquer lugar
Conselho regional de farmácia do Estado do Pará
3782
post-template-default,single,single-post,postid-3782,single-format-standard,qode-quick-links-1.0,ajax_fade,page_not_loaded,,qode_grid_1300,footer_responsive_adv,hide_top_bar_on_mobile_header,qode-theme-ver-11.2,qode-theme-bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-5.2.1,vc_responsive
 

Remédios podem ter reajuste de até 12,5%, dia 31

Remédios podem ter reajuste de até 12,5%, dia 31

O governo autorizará um reajuste acima da inflação para os medicamentos neste ano. A alta poderá ser de até 12,5% para anular o aumento de custo dos laboratórios com a conta de luz e o dólar alto, segundo cálculos feitos pela Associação da Indústria Farmacêutica de Pesquisa (Interfarma) com base em parâmetros oficiais. O número definitivo só será conhecido no dia 31 deste mês. Fontes do Ministério da Saúde ouvidas pelo GLOBO afirmaram, entretanto, que o percentual pode ser um pouco mais baixo, mas deve ser maior que o peso da inflação nas contas das famílias.

Em meio ao processo de consulta pública sobre o tema, a Interfarma divulgou ontem comunicado em que diz que o reajuste será de até 12,5% e que o cálculo do governo mostra que a crise chegou ao setor. Se for confirmado, será o primeiro aumento acima da inflação em 11 anos, quando passaram a registrar os dados.

Em todo esse período, os reajustes foram menores ou iguais ao Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). No ano passado, a inflação oficial foi de 10,36%.

Os medicamentos têm preços controlados pelo governo. O cálculo de reajuste leva em consideração a produtividade da indústria, que caiu. Por isso, o governo — diz a Interfarma — determinou uma única faixa de reajuste para o setor e não várias por medicamentos, como de costume.

Fonte: O GLOBO

Nenhum comentário

Deixe um comentário