No combate à sífilis, Anvisa dispensa registro de cristalina — CRF-PA
Acesse os serviços online em qulaquer lugar
Conselho regional de farmácia do Estado do Pará
3587
post-template-default,single,single-post,postid-3587,single-format-standard,qode-quick-links-1.0,ajax_fade,page_not_loaded,,qode_grid_1300,footer_responsive_adv,hide_top_bar_on_mobile_header,qode-theme-ver-11.2,qode-theme-bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-5.2.1,vc_responsive
 

No combate à sífilis, Anvisa dispensa registro de cristalina

No combate à sífilis, Anvisa dispensa registro de cristalina

A falta de medicamentos para tratamento de sífilis congênita (transmitida da mãe para o bebê durante a gravidez), que se arrasta há quase dois anos, pode ser reduzida nos próximos meses. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou na semana passada a dispensa de registro da matéria-prima para produção da penicilina cristalina, usada para tratamento das crianças, até dezembro.

A permissão, requisitada pelo laboratório Blau Farmacêutica, se estende até dezembro. A matéria-prima necessária para o medicamento teve redução drástica nos últimos anos, deixando fabricantes nacionais sem alternativa para produção. O sanitarista Artur Kalichman, do Programa Estadual de DST/Aids, afirma que, em São Paulo, o estoque de cristalina está próximo do fim, mas o problema atinge todo o País. Para contornar a falta do produto, médicos têm sido orientados a receitar o remédio apenas para casos mais graves.

O Ministério da Saúde admitiu a falta do remédio e disse estar em contato com a Organização Pan-Americana de Saúde para compra emergencial. O número de casos de sífilis congênita praticamente triplicou em seis anos. Em 2008, eram 5.728. Em 2014, foram 16.172.

Fonte: O Estado de S.Paulo

Nenhum comentário

Deixe um comentário