Inflação afeta o preço dos remédios populares; aumento chega a 190% — CRF-PA
Acesse os serviços online em qulaquer lugar
Conselho regional de farmácia do Estado do Pará
3814
post-template-default,single,single-post,postid-3814,single-format-standard,qode-quick-links-1.0,ajax_fade,page_not_loaded,,qode_grid_1300,footer_responsive_adv,hide_top_bar_on_mobile_header,qode-theme-ver-11.2,qode-theme-bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-5.2.1,vc_responsive
 

Inflação afeta o preço dos remédios populares; aumento chega a 190%

Inflação afeta o preço dos remédios populares; aumento chega a 190%

Tudo o que o consumidor não queria nessa época aconteceu. Estão mais caros os medicamentos como os usados para rinite alérgica e até para osteoporose.

Os remédios estão custando mais porque o governo reduziu o chamado subsídio: a parte que era paga pelo Ministério da Saúde justamente para deixar esses remédios mais baratos.

Em alguns medicamentos do programa Farmácia Popular, o impacto para o consumidor é expressivo. O alendronato de sódio, para osteoporose, sofreu reajuste de 34%. A sinvastatina, que é para o colesterol, teve um reajuste de 193%. Antes o consumidor pagava R$ 1,50, agora passou para R$ 4,40. A budesonida, remédio para asma, passou de R$ 8,64 para R$ 13,34.

A aposentada Antônia Pereira Nunes usa o medicamento que mais encareceu, a sinvastatina e já fez os cálculos do impacto no orçamento doméstico. “Por mês, eu tenho um gasto de mais de R$ 300”, conta.

A boa notícia é que o consumidor continua levando de graça os remédios para pressão alta, diabetes e asma do programa Farmácia Popular. É só apresentar a receita médica.

O Ministério da Saúde informa que os preços de quatro medicamentos foram renegociados com a indústria farmacêutica, mas que isso não implica em repasse automático para os consumidores e que o governo conseguiu garantir que outros produtos tivessem os valores reduzidos, como fraldas geriátricas e anticoncepcionais.

Fonte: G1        

Nenhum comentário

Deixe um comentário