Depressão ganha tratamento novo no Brasil — CRF-PA
Acesse os serviços online em qulaquer lugar
Conselho regional de farmácia do Estado do Pará
3300
post-template-default,single,single-post,postid-3300,single-format-standard,qode-quick-links-1.0,ajax_fade,page_not_loaded,,qode_grid_1300,footer_responsive_adv,hide_top_bar_on_mobile_header,qode-theme-ver-11.2,qode-theme-bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-5.2.1,vc_responsive
 

Depressão ganha tratamento novo no Brasil

Depressão ganha tratamento novo no Brasil

Um novo tratamento para a depressão foi aprovado pela Anvisa e deve chegar ao mercado nos próximos meses. O novo medicamento é o VIIBRYD® (cloridrato de vilazodona), que estará disponível na forma de comprimidos, nas concentrações de 10mg, 20mg e 40mg. 

O produto é indicado para o tratamento do transtorno depressivo maior (TDM) em adultos, doença mais conhecida como depressão. 

O medicamente será fabricado pela empresa Patheon Puerto Rico Inc, localizada nos Estados Unidos. A dona do registro do medicamento no Brasil e responsável pela comercialização é a empresa Allergan Produtos Farmacêuticos Ltda. 

O que é o transtorno depressivo maior? 

De acordo com o Manual de Diagnóstico e Estatística para Distúrbios Mentais (DSM-IV-TR), o transtorno depressivo maior consiste em um ou mais episódios depressivos maiores. Um episódio depressivo é marcado pela tristeza persistente ou perda de interesse em atividades da vida cotidiana que prejudicam o dia a dia da pessoa. 

A depressão é uma doença comum. Segundo dados da Organização Mundial da Saúde, a depressão atinge cerca de 5,8% da população brasileira, ou seja, cerca de 11 milhões de pessoas. 

Como funciona o VIIBRYD® (cloridrato de vilazodona)? 

Segundo o conhecimento médico atual, uma das causas da depressão seria a neurotransmissão deficiente nas sinapses centrais da serotonina (5-HT). Por isso, um agente que aumenta a transmissão de 5-HT seria um eficaz antidepressivo. A vilazodona é um inibidor seletivo da recaptação da serotonina (ISRS) e um agonista parcial dos receptores serotoninérgicos 5-HT1A, o que justifica o seu desenvolvimento para o tratamento do transtorno depressivo maior. 

Fonte: Anvisa


Nenhum comentário

Deixe um comentário